16 agosto 2016

A DOR ALÉM DO PARTO

Postado por Drika Cerqueira

Uma em cada quatro mulheres brasileiras sofre algum tipo de violência no atendimento ao parto. Acontece todos os dias, em todos os lugares e a maioria dessas histórias não são contadas. “A obstetrícia é mundialmente a especialidade médica com maior número de ocorrências, de infrações, quer na lesão corporal, quer nas mortes. Setenta por cento de tudo que o Ministério Público realiza em matéria de processos dos chamados erros médicos estão nesta especialidade”. A afirmação é do promotor de justiça do Distrito Federal, Diaulas Ribeiro. 



Assistam ao documentário "A Dor Além do Parto"
Edição: Léo Preto
Imagens: Rodrigo Sanches
Narração: Priscilla Peixoto


05 agosto 2016

INDICAÇÕES REAIS E FICTÍCIAS PARA A CESÁREA

Postado por Drika Cerqueira


Foto: Google Imagens

INDICAÇÕES DE CESÁREA ELETIVA - ANTES DO TRABALHO DE PARTO:
- Placenta prévia: raro e claro
- Herpes Genital com Lesão Ativa: raro e claro

INDICAÇÃO DE CESÁREA DURANTE O TRABALHO DE PARTO:
- Eclâmpsia: Raro e Claro
- Prolapso de Cordão: Raro e Claro
- Descolamento Prematuro da Placenta: Fácil de diagnosticar, raro de ocorrer
- Bebê em Posição Transversa persistente: raro e claro

ALTAMENTE DISCUTÍVEIS E MUITAS VEZES DIAGNOSTICADA DE FORMA ERRADA: 
- Desproporção Céfalo-Pélvica
- Parada de Proporção
- Sofrimento Fetal Agudo

NÃO É INDICAÇÃO DE CESÁREA:

- Circular de cordão (não importa quantas)
- Trabalho de parto prolongado com mãe e bebê em boas condições
- Expulsivo prolongado (média de duração dessa fase em primeiro filho: 2h!)
- Pós-datismo (Após 40/41/42 semanas)
- Pressão Alta
- Bacia "muito estreita"
- Bebê "muito grande"
- Cesárea anterior
- Primigesta com mais de 35 anos
- Primigesta Adolescente
- HPV, verrugas genitais, miomas, cistos
- Pouco ou muito líquido amniótico

SITUAÇÕES DISCUTÍVEIS:

1) Apresentação pélvica
(recomenda-se oferecer versão cefálica externa depois de 36 semanas mas se não for bem sucedida ou não for aceita pela gestante, discutir riscos e benefícios: o parto pélvico só deve ser tentado com equipe experiente e se for essa a decisão da gestante);

2) Duas ou mais cesáreas anteriores
(o risco potencial de uma ruptura uterina – variando de 0,5% - 1% - deve ser pesado contra os riscos de se repetir a cesariana, que variam desde lesão vesical até hemorragia, infecção e maior chance de histerectomia); as diretrizes mais recentes não discriminam entre uma ou duas cesáreas para quem quer tentar um VBAC (Vaginal Birth After Cesarean = Parto Vaginal Após Cesárea);

3) hiv/aids (cesariana eletiva indicada se HIV + com contagem de CD4 baixa ou desconhecida e/ou carga viral acima de 1.000 cópias ou desconhecida); em franco trabalho de parto e na presença de ruptura de membranas, individualizar casos.


Mais informações:

Indicações de cesárea baseada em evidências parte 1


03 agosto 2016

O quê esperar da Casa de Parto de Sapopemba (SP)?

Postado por Drika Cerqueira

Casa de Parto de Sapopemba

A gestante que desejar realizar o seu parto na Casa de Parto Sapopemba poderá, em um primeiro momento, ir conhecer a casa a qualquer hora do dia ou da noite, pois a casa funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana. Essa primeira visita é importante para que o casal tire suas dúvidas a respeito do funcionamento da casa, conheça o espaço e a equipe.

Após completar 37 semanas de gestação, a gestante começa a fazer consultas pré-natais na Casa de Parto, uma vez por semana, paralelo ao pré-natal feito pelo obstetra. Essas consultas são previamente agendadas. Nessas consultas, as enfermeiras tiram muitas dúvidas a respeito do parto verificam os exames feitos durante a gestação e fazem algumas avaliações clínicas.

A Casa de Parto Sapopemba, por ser um órgão do SUS, segue protocolos pré-estabelecidos, portanto, eles só aceitam acompanhar gestantes cuja a gravidez seja de baixo risco (risco habitual = nenhuma doença previa e nenhuma complicação que surgiu com a gravidez), porque assim a probabilidade é muito pequena de a mulher ou o bebê precisarem de alguns cuidados especiais que são oferecidos somente em hospitais, é o caso de gestantes com cesárea prévia, hipertensão arterial, diabetes gestacional, etc.

No caso de a gestante apresentar o exame que confirme a presença da bactéria streptococus tipo B na vagina, eles não permitem o parto lá, pois seria necessário, segundo o protocolo do SUS, o uso do antibiótico profilático antes do nascimento do bebê e isso só pode ser feito no hospital.

Outra situação de recusa é o trabalho de parto não acontecer até 41 semanas. Por isso, é importante ter um plano B, ou seja, caso não seja aceita na Casa de Parto para qual maternidade ir.

Quando a gestante entra em trabalho de parto, vai até a Casa de Parto e passa por uma nova triagem onde tem sua pressão arterial analisada, assim como os batimentos cardíacos do bebê, qualidade do líquido amniótico, evolução do trabalho de parto através da dilatação e das contrações. Caso a dilatação esteja no início, a gestante tem a opção de ir pra casa e retornar com trabalho de parto mais avançado ou de se internar, se acharem melhor. Optando pela internação, a parturiente vai com seu acompanhante para uma suíte de parto e começa a trabalhar o seu parto.

As enfermeiras da Casa de Parto Sapopemba tiram dúvidas e sugerem exercícios e métodos de alívio da dor, porém, é importante contar com a presença de uma doula que, além de realizar todo um trabalho informativo durante a gestação, ficar com você em casa até a hora certa de ir pra Casa de Parto, estará lá com você e seu acompanhante em tempo integral, se dedicando exclusivamente à você e a suprir suas necessidades, utilizando seus conhecimentos e experiência, além de ser uma figura conhecida por você, com a qual você já terá uma afinidade e uma relação de confiança.

A prioridade na Casa de Parto Sapopemba é que o parto seja natural, não serão oferecidas ou realizadas intervenções desnecessárias com o objetivo de liberar o leito rapidamente, como é feito em outros lugares. A parturiente tem a opção de decidir se concorda com a necessidade de todas as intervenções sugeridas.

Nas situações em que ocorrer necessidade de alguma intervenção ou encaminhamento imediato da mulher na gestação, durante o trabalho de parto ou para avaliação do recém-nascido, a Casa do Parto de Sapopemba dispõe de motorista e ambulância exclusivos para estas transferências. O hospital de retaguarda é o Hospital Estadual de Vila Alpina, acessível a 8 minutos da Casa do Parto. A equipe é treinada para casos de emergências que envolvem a mulher e o recém-nascido e dispõe de equipamentos e medicações para estas situações.

Para lidar com o desconforto das contrações, a famosa "dor do parto", a casa oferece chuveiro, banheira e um ambiente propício para uma mulher desenvolver seu trabalho de parto com tranquilidade: silêncio, luzes baixas, profissionais delicados, autorização da permanência do acompanhante e de uma doula, alimentação adequada, ingestão de líquidos rádio para ouvir música e um quintal no qual a parturiente pode caminhar mesmo estando internada. A parturiente pode se vestir conforme desejar ou mesmo ficar nua, se quiser.

Na hora do parto em si, o que chamamos de expulsivo, a parturiente poderá escolher a posição que desejar, seja na banqueta de cócoras, no chão ou na cama reclinável e que possui um arco no qual a mulher pode se apoiar, tudo isso no mesmo ambiente no qual a mulher passou o trabalho de parto inteiro. O parto pode ser filmado e fotografado, se for o desejo da mulher.

Quando o bebê nasce, caso não precise de nenhum cuidado especial, ele é colocado direto no colo da mãe, espera-se o cordão parar de pulsar para cortar e o recém nascido pode ser amamentado ainda na 1a. hora de vida.

Durante as 24 horas de internação, o bebê e a mãe seguem sendo cuidados e examinados, para certificarem-se de que está tudo bem para a alta. O pai não pode passar a noite da internação na Casa de Parto pois o quarto é coletivo apara resguardar a privacidade de todas as mulheres. Após a alta, mãe e bebê retornam para consultas após 5, 15 e 30 dias. As enfermeiras se encarregam de manter os pais do bebê sempre bem informados quanto aos cuidados com o recém-nascido e quanto ao pós-parto. Orientam a amamentação, ajudam no primeiro banho, entre outras coisas.

As funcionárias também estão sempre disponíveis para tirar dúvidas pelo telefone, antes ou depois do parto.

 Clique para ver no Google Maps

Casa de Parto de Sapopemba
https://casadopartosapopemba.wordpress.com/
Endereço: Rua São José das Espinharas, n. 400 – Vila IVG – São Paulo – SP - CEP 03249-030
Telefone: -2702-6043 / 2702-5899
Facebook

Veja aqui alguns relatos de partos:

Erika


gravidez, parto e maternidade

Drika Cerqueira • todos os direitos reservados © 2016 • powered by Blogger • Desenvolvimento por