A dor além do parto

Uma em cada quatro mulheres brasileiras sofre algum tipo de violência no atendimento ao parto. Acontece todos os dias, em todos os lugares e a maioria dessas histórias não são contadas. “A obstetrícia é mundialmente a especialidade médica com maior número de ocorrências, de infrações, quer na lesão corporal, quer nas mortes. Setenta por cento de tudo que o Ministério Público realiza em matéria de processos dos chamados erros médicos estão nesta especialidade”. A afirmação é do promotor de justiça do Distrito Federal, Diaulas Ribeiro.
Assistam ao documentário “A Dor Além do Parto”
Edição: Léo Preto
Imagens: Rodrigo Sanches
Narração: Priscilla Peixoto

Os 5 estágios da dor do parto

1 – NEGAÇÃO
Você já está em trabalho de parto, ansiosa e feliz porque a grande hora está chegando, enfim. Sente uns calafrios, cabelo molha de leve. Está andando e pá, sente uma cólica meio chata na região abdominal. Pensa: “Ué, é isso mesmo? Só isso? É a dor do parto começando! Que legal!”. Conta no relógio e vê: só uns 30 segundos de duração. Eu posso aguentar isso, você pensa. Só 30 segundos? Estas colicazinhas só? Fica no facebook com as amigas índias postando foto do barrigão e escrevendo: “É HOJE! Vai nascer a Sara Terra, gente! Mandem boas energias. Tô chamando as parteiras!”

2 – RAIVA.
“Puta merda”. As contrações começam a chegar num nível completamente diferente do anterior. Você olha no relógio e elas estão ficando mais longas. “Puta que o pariu”. O marido vem todo fofo: “Tudo bem, amor?” e você só consegue dizer “Não consigo conversar agora puta merda cacete dói pra caralho.” Enfeza. Fica puta. Espera acabar. “Dá cá um abraço, amor. Vou pro chuveiro. Dizem que alivia.” Senta lá e dá vontade vomitar de dor. E você levanta. E você senta. E a parteira vem com aquele aparelhinho ouvir o coração. “CACETEEEEEEE”. Esmaga a mão da doula. Você não consegue se mover. Ou não consegue ficar parada. Pede por favor pra parteira ver se você dilatou, e ela “Tem certeza que quer saber?”. Vai ver esta dor toda foi por causa de 1 cm. AFE! Manda mentalmente pro inferno estas índia tudo dos seus 30 grupos de parto online, que me garantiram que o corpo ficava inundado de ocitocina e a gente fica “naturalmente anestesiada”. Fica nada. Dói pra cacete! Socorro!

Estágio 3 – A BARGANHA
Você não acredita que está somente 6 cm dilatada. Não é possível. A pressão que sente é tão forte que pensa que vai arrebentar o quadril. COMO ASSIM? Não, conta de novo. Não está certo. Mais quantas horas? Não sabe? Como assim? Em casa não tem anestesia. Água não alivia dor coisa nenhuma. A minha, não. Não quero ficar molhada. Não quero mais esta dor. Olha no relógio: “Marido, vai vir de novo, não quero, não não quero de novo, não naoooooooooooooooooooooooooooo FILHA DA PUTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA”. A contração já dura 1 minuto inteiro. Como assim? Devia estar nascendo. A dor fica mais forte que isso? Não é possível. Vou sair daqui. Vou deitar. Ok, parei este parto. Não quero mais isso. Não vai nascer NUNCA isso aqui. Alguém tira esta criança de mim? Tira? Não tem jeito, eu sei. Mas parei, ok, não quero mais. Vou dormir, depois continuo. “Mulher, acorda, você tem que ficar em movimento, deitada fica pior.” “COMO você sabe o que é pior?Vou dormir. Vai passar. Até.” Deita. Levanta em um minuto implorando Jesus-Maria-José pra te acudir. “Nossa Senhora do Bom Parto o cacete. Socorro!”

Estágio 4 : DEPRESSÃO.
Você desiste da dor, pra ver se ela desiste de você. Fica em silêncio. Chora. Chora igual criança que caiu jogando bola. “Eu quero minha mãe”. “Cadê minha mãe????” Socorro, minha mãe não tá aqui. Abraça a doula. Aperta ela. Deita nela. Vem outra contração. “Não não nãoooooooooooooooooooooooooooooooooo outra nãooooooooooooooooooo” e chora igual nem lembrava que sabia chorar. A cada dois minutos a dor volta e cada vez está mais interminável. Você desiste. Acabou. É isso. Vai sentir esta dor pra sempre. Melhor se acalmar. Não há nada que você possa fazer, a bendita cabeça já tá lá embaixo quase. Umas massagens, uma toalha na boca pra você morder, uma mão pra você segurar. Só existe aquilo e você. Sumiram todos. Você não consegue ver mais nada. O bebê vai sair e não há nada que você possa fazer pra impedir.

Estágio 5: ACEITAÇÃO.
UAU! Você olha no relógio e já se passaram 12 horas que está com dor. Como você é forte, pensa no intervalo da dor. “Você vai conseguir, Ca.” – ouve longe uma voz dizer. Olha pro nada. É a partolândia completa. Tem algo estranho, pois você se acalma. Lembra da sua doula falando: no final a dor melhora muito. E se lembra que enfim, chegou no limite. Já sentiu a maior dor que podia sentir. E sobreviveu. E seu bebê está ali chegando. E relaxa. E deixa a natureza agir. “A natureza é perfeita….não sinto mais dor….só sinto queimar tudo…..tá acabando….” Se concentra. Aceita a dor. Aceita o parto. Aceita que não tem controle sobre a situação. Você sabe que o bebê vai nascer e não vai demorar. Enfim, olha pra baixo depois de uma baita força e ele já saiu! A parteira agarra ele pra não cair no chão. Todos riem alto, o bebê chora alto. E você, abismada, agarra a criança na mão e se mata de rir feliz, como se não tivesse passado por tudo isso há minutos atrás.

Fonte