10 DICAS PARA TER UM PARTO NORMAL NO BRASIL

Ter um filho no Brasil hoje é uma tarefa bem complicada. Chegamos ao auge da medicalização do parto nem por isso as taxas de mortalidade e morbidade materna estão diminuindo. Quando não é cesárea é um parto normal repleto de intervenções.  Na rede privada vemos maternidades com índices superiores a 80% de cesáreas.

Diante desse cenário e a vida moderna trouxeram um comportamento comum ao casal grávido: entender o médico como o detentor do saber e deixar todas as decisões nas mãos dele. Não se questiona, nem discute e nem se busca uma segunda opinião, na maioria das vezes. Acredita-se que todos os médicos agem baseados em evidências científicas sólidas. Grande engano! A formação médica está cada vez mais frágil e desprovidas de fundamento científicos.

Estudos apontam que quase 70% das brasileiras deseja um parto normal no início da gravidez, mas poucas recebem apoio em suas escolhas e apenas 15% conseguem parir o que demonstra claramente uma influência do pré-natal na decisão das mulheres pelo tipo de parto.

Existem muitos motivos para se optar pelo Parto Normal:

  • Menor risco de complicações, hemorragias e infecções.
  • O bebê nasce quando está pronto para respirar do lado de fora, com isso é menor as chances de desconforto respiratório.
  • Ao passar pelo canal vaginal o bebê sofre uma compressão do tórax que elimina as secreções pulmonares de líquidos localizados nas áreas respiratórias.
  • Maior facilidade para amamentação – o corpo da mulher trabalha se preparando para a chegada do bebê, os hormônios agem em sintonia permitindo que o leite desça mais rápido.
  • Melhor recuperação após o parto – a mulher está em melhores condições físicas para cuidar do seu bebê.
  • Os laços emocionais e sentimentais com o bebê acontecem com maior facilidade.

Abaixo listo 10 dicas para conseguir um Parto Normal no Brasil:

  1. ESCOLHA UM BOM MÉDICO

Muitas mulheres acabam ficando com o seu próprio ginecologista o que muitas vezes acaba sendo um erro já que muitos são adeptos da cesárea. Principalmente os que atendem por plano de saúde e recebem muito pouco pelo acompanhamento ao parto que pode durar horas e horas enquanto que uma cesárea é feita em cerca de 1 hora.

Escolha um médico que pratique a Medicina Baseada em Evidências Cientificas. Converse com doulas, amigas que tiveram parto normal, questione a secretária do médico, peça na sua operadora de plano de saúde a taxas de cesárea dele. É um trabalho e tanto, mas vale a pena ter a certeza que você só passará pela cesárea ou por intervenções se realmente forem necessárias.

2. INFORMAÇÃO

Informe-se sobre o parto, como ele funciona, quais as intervenções e quando elas são necessárias, quais as indicações de cesárea. Faça um bom curso de Preparação para o Parto Humanizado, procure livros sobre o assunto, participe de grupos de apoio presenciais e virtuais, muitos são gratuitos. Apodere-se do seu parto. Você é a protagonista dele e as decisões devem ser tomadas com embasamento e não por medo.

3. LOCAL DE PARTO

Qual hospital respeita mais as decisões da mãe e tem protocolos menos rígidos em relação ao parto e ao recebimento do bebê? Dê preferências para as maternidades que tenham uma melhor estrutura para o Parto Normal como por exemplo ter suítes de parto com banheira, bola, banqueta para parto normal. Ou se você prefere um parto domiciliar, prepare-se bastante, converse com quem passou pela experiência, tire as dúvidas com seu médico ou parteira e estude tudo que puder sobre o assunto.

4. CONTRATE UMA DOULA

A doula é a profissional que não possui responsabilidade técnica ou clínica no parto, mas que permanece ao lado da gestante durante todo o processo. Ela irá te ajudar dando suporte físico, informacional e emocional antes, durante e após o parto.

Antes, te ajudando na preparação sugerindo leituras interessantes, dando dicas e conversando sobre seus medos. Durante, cuidando do ambiente, dando dicas de posições e métodos não farmacológicos de alivio da dor e fazendo uma boa massagem para te ajudar a relaxar e se entregar ao processo. Depois, no apoio a amamentação e aos cuidados com o bebê.

A Doula não é parte da equipe do médico, a Doula é da mulher, a escolha da Doula eu costumo dizer que tem que ser aquela “bateu o santo”. É preciso alguém com quem você sinta afinidade, segurança e tranquilidade acima de tudo.

5. FAÇA UM PLANO DE PARTO

Nele você colocará todas as suas preferências em relação ao parto e a chegada do bebê. Tudo que você aceita ou prefere evitar para o nascimento do seu bebê. Fazer o plano de parto te ajudará a fazer escolhas conscientes e a se nortear em relação a tudo que acontece num parto. Também é importante para deixar suas preferências bem claras para toda equipe e reconhecer o seu direito de participar ativamente do parto.

6. MOVIMENTE-SE

Você pode fazer yoga, hidroginástica ou ter um personal trainer, mas o melhor exercício na gravidez é de graça e dificilmente tem contraindicação, caminhar. Caminhadas são excelentes para ajudar o bebê a encaixar direitinho na pelve e melhorar o condicionamento cardiorrespiratório. Exercitar-se faz bem para mente, para o corpo no geral e também, para a gravidez.

7. PREPARE O PERÍNEO

A musculatura do assoalho pélvico durante a gestação sofre um prolongado teste de resistência, sustentando, além dos órgãos pélvicos, o bebê, o novo útero e todos os demais anexos embrionários (placenta, cordão umbilical, etc). O parto é o maior teste de força, resistência e elasticidade para todo o assoalho pélvico, especialmente para a musculatura. Uma musculatura forte oferece maior apoio ao útero reduzindo a pressão sobre a bexiga, diminui também, as dores lombares e permite uma recuperação melhor e muito mais rápida no pós-parto.

Durante toda a gravidez é aconselhável fazer os exercícios de Kegel (para fortalecimento) e após 34 semanas, a massagem perineal e o treinamento com epi-no (para aumento da elasticidade). Consulte uma fisioterapeuta obstétrica que poderá te orientar nos exercícios específicos para o seu períneo.

8. FALE DOS MEDOS

Converse sobre seus medos, seja com seu companheiro, doula, terapeuta ou uma amiga. Falar sobre os medos faz com que eles se tornem menores do que quando estão apenas na mente. Além de te ajudar a encontrar recursos para lidar com eles. Não adianta jogá-los para baixo do tapete, é preciso encará-los porque senão eles podem aparecer num formato muito maior no momento do parto.

9. DPP + 2 SEMANAS

Isso mesmo, diga para as pessoas, que as sua Data Prevista para o Parto é 2 semanas após a data verdadeira. Com isso você evita os palpiteiros de plantão dizendo que o bebê vai passar do tempo e colocando terrorismo onde não tem. Afinal uma gestação saudável pode ir até 42 semanas sem nenhum problema.

10.ACREDITE NO SEU PODER

Acredite em você, no seu corpo e no processo de parir. Tirando raras exceções, uma mulher que gerou e gestou poderá parir com médico, sem médico ou apesar do médico. O seu corpo sabe exatamente o que fazer. O obstetra francês Michel Odent diz que o aparato tecnológico está tornando os partos menos eficazes. Ele defende a “mamiferização” do parto, que é como chama o conjunto de ações que fazem com que o nascimento respeite as condições inatas da mulher. Assim como as fêmeas se fomos deixadas sozinhas num local seguro e sem interferências, iremos parir lindamente.

Espero que essas dicas te ajudem na sua busca pelo parto humanizando, entendendo que humanizar o parto é respeitar a mulher como protagonista e o bebê como um ser que precisa de acolhimento e amor em sua chegada. Num parto humanizado a equipe busca promover uma atenção centrado nas escolhas e necessidades individuais de cada uma. Equipe e gestante /casal compartilham a tomada de decisões.

Drika Cerqueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *