Mecônio, sinal de perigo?

Muitas mulheres morrem de pânico ao ouvir a palavra mecônio. Mas afinal, o que é realmente esse tão temido mecônio?

Assim que o tubo gastro-intestinal do feto está formado, o bebê começa a ingerir líquido amniótico. Ingerir líquido amniótico é um processo esperado e importante, primeiro porque o feto já vai colocando a prova, todas as funções digestivas e excretórias, e segundo porque mantém o tubo gastro-intestinal com a luz aberta .

Isso significa que, a partir de determinado momento na gestação, o bebê urina no liquido amniótico e o engole com urina, com células mortas, lanugo (pelos que cobrem o corpinho do feto), vernix (uma espécie de cera protetora da pele do bebê). Todos esses compostos presentes no líquido amniótico, formarão o mecônio dentro do intestino fetal que também será eliminado a partir da maturidade do feto.

Alguns exames, como a amnioscopia, permitem ao profissional que está assistindo a gestante, observar as características do líquido amniótico antes do rompimento da bolsa, e por vezes detecta a presença de mecônio. Entretanto, é muito comum que, (pasmem!), ao realizar a cesárea ou romper a bolsa, o líquido esteja clarinho sem nenhum sinal de mecônio! Por isso mesmo, a maioria dos profissionais que praticam a Medicina Baseada em Evidências abrem mão da amnioscopia.

Portanto “fazer cocô na barriga” é perfeitamente fisiológico, normal e esperado para um feto a termo.

Então porque, há tanto temor e tantas indicações de cesáreas quando é detectada a presença de mecônio no liquido amniótico?

Existem classificações da presença desse mecônio, que vão desde “uma cruz” até “quatro cruzes”. Quando o mecônio é fluido, ou seja, existe mais liquido amniótico do que mecônio, os profissionais que assistem o parto, classificam-no com “uma cruz”. Quanto mais escuro e menos fluido está o mecônio, mais cruzes ele ganha.

Uma vez espesso (ou seja, quando a classificação do mecônio ganha “quatro cruzes” e esse mecônio se assemelha a uma papa de ervilha), caso o feto entre em sofrimento fetal durante o trabalho de parto, a chance de ocorrer a aspiração do mecônio é grande, e um mecônio espesso pode trazer consequências graves para o bebê, podendo leva-lo a óbito. Portanto, o mecônio em si, não é o vilão e sim a quantidade reduzida de líquido amniótico, insuficiente para diluir esse mecônio.

E porque há a diminuição do volume de líquido amniótico?

Existe uma diminuição fisiológica, normal e esperada da quantidade de líquido amniótico ao final da gestação. Quanto maior o bebê, menos espaço pra líquido amniótico haverá. Porém, algumas situações (raras) podem causar a diminuição do líquido amniótico, como por exemplo, o não funcionamento adequado da placenta, ou alguma anormalidade com os rins do feto, que ao urinar em menor quantidade, passará então a produzir menor quantidade de líquido amniótico. E é aí que o obstetra, ou profissional que está assistindo essa gestante, tem que focar: Investigar o porque da diminuição anormal da quantidade de líquido amniótico.

Conheço um caso de um bebê que foi pra UTI após “engolir” mecônio

Nenhum bebê vai pra UTI por engolir mecônio. O máximo que vai acontecer é esse bebê vomitar esse mecônio após nascer. Bebês vão pra UTI porque aspiraram o mecônio. Enquanto está dentro do útero, o feto não respira pelas vias aéreas, pois recebe oxigênio pelo cordão umbilical através da circulação materna. Porém, quando os níveis de oxigênio que chegam ao bebê não são suficientes, esse feto vai tentar respirar para oxigenar seu sangue. Sendo assim, o foco da assistência deve ser em como está a oxigenação e a vitalidade desse bebê e não na presença de mecônio.

Fatores que podem reduzir o aporte de oxigênio ao bebê durante o trabalho de parto, e portanto provocar o reflexo de ”gasping” (aspiração) são:

Uso de ocitocina sintética de forma rotineira e sem acompanhamento criterioso da ausculta fetal: o uso de ocitocina pode levar o útero da mulher a contrair de forma anormal, prejudicando uma boa irrigação sanguínea do útero e resultando na má oxigenação do feto.

Manter a parturiente em posição litotômica (deitada): Quando a mulher é mantida deitada, ou na posição ginecológica, todo o seu peso, o peso do seu útero grávido com todo conteúdo (bebê, líquido, placenta) pressiona a artéria uterina que está localizada na região dorsal (costas), responsável por levar oxigênio ao útero e ao feto.

Cesariana: a cesárea, como qualquer outra cirurgia, modifica todo padrão vital da mulher. A gestante é submetida a anestesia, fica deitada e ainda tem o fator “tensão” que acaba refletindo em uma respiração inadequada e portanto uma má oxigenação do útero e do feto. Além disso, ainda temos que considerar que o bebê ao ser manipulado bruscamente durante sua extração na cesárea, pode a aspirar o líquido amniótico. Soma-se a isso o fato do bebê não passar pelo canal de parto, e não sofrer a pressão em seu tórax que ajuda a expelir qualquer líquido ou mecônio de seu pulmão, e a cesárea se mal indicada, ao invés de ajudar, passa a ser mais um fator complicador para esse recém-nascido.

Então se o bebê está bem, não precisa fazer cesárea?

O mecônio isoladamente, não é indicação de cesárea, mas é um achado que deve ser considerado para analisar outras formas de avaliação do bem estar fetal e pode, em determinadas circunstâncias, requerer abreviação do nascimento. Por isso é importante ter uma equipe que pratique a Medicina Baseada em Evidências.

Se durante o trabalho de parto, o mecônio é fluido, o bebê apresenta boa vitalidade, boa movimentação fetal, batimentos cardíacos tranquilizadores, a mãe tem liberdade de se movimentar e se posicionar de forma a contribuir com a oxigenação fetal, é possível que se continue (com monitoramento) com o trabalho de parto. No parto normal, quando o bebê passa pelo canal de parto, recebe a pressão positiva exercida sobre o tórax e isso ajuda, inclusive, a liberar algum resíduo de mecônio ou liquido amniótico que tenha sido aspirado.

Porém caso algum desses fatores saia de controle, a equipe poderá optar por antecipar o nascimento por via vaginal (com ajuda de fórceps de alívio ou vácuo extrator se o trabalho de parto estiver na fase do expulsivo) ou por via cirúrgica, caso o trabalho de parto ainda esteja na 1a fase (dilatação).

Para saber mais você pode ler este post, com um texto incrível da Dra Melania Amorim.

Gisele Leal – Bióloga, Doula, Orientadora Peri-natal, ativista pela humanização do parto, mãe de 4 

Fonte